Como consegui visitar 10 países e mais de 20 cidades em 5 meses com 2000€

Como consegui visitar 10 países e mais de 20 cidades em 5 meses com 2000€

12 de Julho, 2020 0 Por Diogo Teixeira

🇬🇧 For English Translation, press the button on the top left corner of the page.


O título intrigou-vos, não? Muita gente me perguntou durante o ano passado como é que eu, um estudante, estava a viajar tanto em tão pouco tempo. Considerando que tenho aulas a tempo inteiro, dinheiro limitado e vários outros fatores que aparentemente não podiam tornar isto possível.

Bem, a verdade é que consegui fazê-lo principalmente devido a duas coisas: tinha apenas 3 dias de aulas por semana seguidos e o facto de estar a morar na República Checa.

Porquê que morar na República Checa era importante? Porque existem ofertas inacreditáveis, tanto de autocarros, comboios e aviões para todo o resto da Europa. Não só isso, mas também porque a República Checa localiza-se exatamente no coração da Europa, o que facilita todo o processo tanto monetariamente como logisticamente.

Cesky Krumlov, República Checa – 2018

Como é que tinhas apenas 3 dias de aulas por semana seguidos no Ensino Superior? Na altura estava a realizar uma mobilidade ERASMUS+, daí estar a morar na República Checa. E, devido a isso, tive a liberdade de escolher o meu horário consoante as cadeiras que precisava. E sim, fiz todas as 7 cadeiras que precisava de fazer.

Antes de realizar a minha mobilidade ERASMUS+, tive como objetivo visitar o máximo de cidades e países que conseguisse, gastando pouquissímo dinheiro. E assim o fiz, conseguindo visitar: República Checa, Alemanha, Áustria, Itália, Holanda, Eslovénia, Hungria e Polónia. Contudo, ainda consegui visitar Malta e Bélgica após voltar para Portugal, dando um total de 10 países em 5 meses.

De seguida, vou-vos apresentar a lista de tudo o que me permitiu gastar o mínimo de dinheiro possível em 5 meses de forma a conseguir visitar 10 países ⬇️


Gosto de ser transparente com os meus leitores. Por isso, supõe que todos os links deste artigo sejam afiliados, o que significa que recebo uma pequena comissão quando fazes uma compra. Apenas recomendo empresas nas quais acredito verdadeiramente.


1. Mentalidade

Eu nunca tinha vivido sozinho antes desta experiência. Tive de mudar completamente de mentalidade se queria conseguir realizar este objetivo e ser capaz de controlar o meu dinheiro de forma a que conseguisse fazê-lo.

Tive de me mentalizar que não iria ter a melhor vida de todas. Não iam existir hóteis, muitas visitas a museus, atividades turísticas, alugueres de carros, aviões diretos nem idas ao restaurante em abundância. Ia ser tudo contadinho e ia começar a caminhar mais pelas cidades, ir mais vezes ao supermercado e não pagar para visitar coisas que para mim, no fim, eu ia considerar desnecessárias.

Por exemplo, todos nós estamos tentados a visitar o museu mais famoso da cidade. Mas será que vale assim tanto a pena?

Um bom exemplo disto, para mim, foi a visita ao Oceanário de Génova, supostamente o maior e melhor da Europa. Mas preferia mil vezes nunca ter feito esta visita. Estava um “mar” de gente mal educada, os animais eram mal tratados pelos turistas e a experiência não foi nada agradável. Teria sido melhor guardar estes trocos para uma viagem de autocarro para outro país, não?


2. Autocarros noturnos

Para fazer algo deste género, vai ser preciso dormir muitas vezes em autocarros com viagens que duram mais de 15 horas.

Por exemplo, se apanhássemos um avião de 1h30 em vez de um autocarro de 15h, teríamos pago talvez 3 ou 4 vezes mais e, muitas das vezes, pagar uma noite extra num alojamento devido ao horário do voo.

Mas, o que acontece quando se apanha um autocarro noturno é que só vais viajar naquela altura do dia em que irias estar a dormir. E a maior parte dos autocarros noturnos tendem a ser muito confortáveis e altamente preparados para este género de viagens.

A grande parte das minhas viagens de autocarro foram feitas através da Flixbus, que tem uma grande frota por toda a Europa por preços altamente económicos! Foi a minha grande salvação para conseguir visitar todos estes países.


3. Voos a preços bombásticos

Tal como disse no ponto anterior, será que preciso mesmo de um voo extremamente rápido enquanto posso ir de autocarro por muito menos? Isto irá depender das preferências de cada um. Pessoalmente, eu prefiro demorar mais tempo e economizar muito mais. Por vezes até se fazem umas paragens no meio e podemos sentir por breves momentos o ar de um país novo – como foi o caso na minha viagem entre Milão e Praga onde parei em Zurique.

Contudo, como é do conhecimento de todos, existem ofertas e promoções extraordinárias de voos entre toda a Europa. Por exemplo, eu tirei um grande proveito do Black Friday em novembro e consegui uma viagem a Malta por 10€ ida e volta (SIM, vocês leram bem! 10€ por ambos os voos).

Aconselho a utilizarem o motor de busca da Momondo que é altamente eficaz em detetar os melhores preços dos voos e podem até comparar entre várias companhias aéreas. Já utilizei a app várias vezes e encontrei sempre pechinchas!


4. Comparação de preços

Tal como já referi nos pontos anteriores, o autocarro é o transporte que mais utilizei. Contudo, sempre que conseguia ofertas excelentes de voos, não as deixava escapar. E com isto quero dizer que vale sempre a pena comparar os preços entre os autocarros e os voos, pois nunca se sabe o que se pode encontrar.

Ao longo desta jornada, utilizei sempre a Omio (antiga GoEuro), que é um comparador de preços de comboios, autocarros e voos em toda a Europa. É sempre o motor de busca ao qual recorro em primeiro lugar para perceber o que será mais benéfico para mim.


5. Alimentação

Tal como disse anteriormente, as idas ao restaurante vão ser poucas ou até nenhumas. Sim, é fundamental experimentar a gastronomia da cidade mas isso não significa que se tenha de ir ao restaurante todos os dias.

Existem várias feiras locais que oferecem alguns petiscos para experimentarem e até tascas mais pequenas, onde normalmente é comida é tão boa ou até melhor! É uma questão de te informares e procurares as melhores opções para ti.

Contudo, eu sempre recorri aos supermercados e depois, caso precisasse de preparar algo numa cozinha, fazia-o no meu hostel onde existe quase sempre uma cozinha disponível.


6. Hostels

O alojamento é sempre uma das maiores despesas em viagens. Se pensaram que eu dormi ao relento para conseguir fazer isto acontecer, enganam-se. Apesar de o ter feito pontualmente, não recomendo e apelo para que coloquem a vossa segurança sempre em primeiro lugar.

Os Hostels são uma das opções mais económicas de sempre para se viajar sozinho ou com um grupo pequeno de pessoas. Para conseguir sempre o preço mais baixo, optava sempre pelo quarto com mais camas, sem casa de banho privada e que não dividia géneros.

Sim, isto parece um pouco assustador mas acreditem que não é nada mau. Eu já dormi em dezenas de hostels em toda a Europa e nunca tive nenhum incidente desagradavel, nem assisti a nenhum. Aliás, sempre conheci muitas pessoas novas e vivi momentos incríveis, tudo graças às minhas estadias em hostels.

Se estiveres a viajar sozinho, a probabilidade de te convidarem para ires sair ou tomar um café é muito alta. Além disso, os hotels têm sempre uma cozinha, o que facilita para cozinhares a tua própria comida que compras no supermercado. E, normalmente, é onde as maiores amizades em viagem acontecem!

Para encontrar os melhores hostels, sempre recorri à Hostelworld que é um motor de busca super completo que compara todos os hostels em termos de localização, preços e rating. Apelo sempre a terem em conta estes três pontos de comparação – nunca escolham um rating muito baixo, nem uma localização muito má, tentem encontrar sempre um meio termo.


7. AirBNB

Sei o que estão a pensar. Os AirBNB’s não podem ser dos alojamentos mais económicos. E têm razão. Mas, por vezes, acontece que vais viajar em grupo e é possível encontrar AirBNB’s mais baratos para grupos do que se reservarem camas individualmente.

Por exemplo, eu apenas recorri ao AirBNB uma vez nestes 5 meses. Eramos um grupo de 4 e iamos viajar para Munique. Os hostels eram extrememente caros (20€ por noite!) e, em vez disso, conseguimos um AirBNB no centro da cidade com um host incrível por apenas 60€ por noite. (20€ mais barato do que se reservassemos hostel individualmente).


8. Couchsurfing

“Couchsurfing” é o termo usado para permanecer temporariamente em casa de outras pessoas, usualmente usam um sofá ou algo improvisado para terem um tecto onde dormir. O que tens de dar em troca? Depende de ti. Podes cozinhar para o teu host e mostrar-lhe um pouco do teu país, ou simplesmente contar a tua história inspiradora que te trouxe até ali.

Este termo também se aplica caso durmas em casa de amigos que moram no estrangeiro. Por exemplo, uma amiga polaca ofereceu-me o seu sofá para dormir quando visitei Gdánsk.

Contudo, existe uma grande comunidade em torno do couchsurfing. Existem milhares de hosts em todo o mundo dispostos a fornecer o seu sofá apenas para conviverem todos os dias com diferentes indivíduos de todo o mundo. Tal como também existem centenas de milhares de viajantes que usufruem disto.

Os membros da sua comunidade também organizam vários eventos em diferentes pontos do mundo, de carácter cultural, o que é uma grande oportunidade para conseguires camas ou sofás noutros países, mas principalmente para construíres novas amizades.


9. Taxas de câmbio

É muito frustrante trocar euros em alguns países. Existe uma variedade de problemas tais como: altas taxas de câmbio, falhas de comunicação e outras armadilhas.

Contudo, encontrei o Revolut pouco antes de embarcar nesta aventura. O Revolut apresenta-se como uma alternativa digital à banca tradicional, particularmente por não cobrar taxas em operações de pagamento de compras, transferências nacionais ou internacionais e taxas de câmbio.

Foi o meu melhor amigo durante estes 5 meses que morei na República Checa! As taxas foram quase nenhumas e podia deslocar-me a qualquer caixa de multibanco para retirar Coroas Checas. Recomendo vivamente se vais viajar para um país que não utiliza a tua moeda. Podes pedir o teu cartão, gratuitamente, aqui!


10. Free Walking Tours

Já ouviram falar das Free Walking Tours? Sabiam que podem ter um guia extremamente experiente a mostrar-vos a cidade? E é completamente grátis!…se quiserem. Isto porque as tours são normalmente tão boas que queremos sempre recompensar o guia, que não irá ganhar dinheiro de qualquer outra forma a não ser através das gorgetas dos turistas.

Fiz uso destas walking tours em vários dos destinos que visitei e adorei sempre! E não importa a gorgeta que deixamos pois os guias irão estar sempre muito gratos.

É uma forma muito fácil e interessante de poderem conhecer a cidade sem terem de pagar tours privadas ou idas a museus.

Informem-se no hostel em que ficarem sobre as Free Walking Tours. Irão sempre dar-vos um folheto com os horários e os locais onde começam.


11. Descontos para estudantes ou jovens

Existem centenas ou até milhares de descontos para estudantes e pessoas mais novas. Algumas entradas em museus são gratuitos apenas por mostrares um simples cartão de estudante!

Quando se é novo ou estudante, tem-se de tirar partido destas vantagens para a juventude. Lembra-te sempre, antes de reservares uma viagem de autocarro ou um bilhete de entrada num museu, ou seja o que for, de pesquisar ou perguntar se existe algum desconto para estudantes ou jovens.

Por exemplo, a Flixbus dá-te um desconto de 10% em todas as viagens se tiveres o cartão ISIC. Outro exemplo – no Mont Saint-Michel em França, podes entrar gratuitamente no castelo se tiveres menos de 27 anos!

São pequenos descontos que no fim vão fazer uma grande diferença nas tuas contas.


E aqui ficam todos os meus segredos para conseguir viajar tanto pela Europa. Espero que tenha sido útil!

Por último, recomendo consultarem o meu e-book de Planeamento de Viagens Low-Cost – mais de 30 páginas de conteúdo detalhado sobre como podem planear uma viagem low-cost e viajar mais enquanto gastam menos.

Caso tenhas alguma pergunta, podes enviar-me um email para travel@diogo-teixeira.com ou envia-me uma DM para o Instagram.